Joya Photos

Joya's Book


Reviews | Translations

Por que os EUA Temem Malalaï Joya?

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Socialist Worker Thursday, 24 March 2011 16:45

Khury Petersen-Smith escreve sobre Malalaï Joya, e seu esforço para poder falar

Smith-Petersen Khury, Socialist Worker, 24.3.2011
tradução de Edu Montesanti

Malalai Joya

A ativista pelos direitos da Mulher e ex-membro do parlamento do Afeganistão, Malalaï Joya, não tem medo. Ela parou no vazio para levantar sua voz contra os duplos inimigos da liberdade e da igualdade das mulheres em seu país: a misoginia dos senhores da guerra do Afeganistão, e a brutal ocupação dos EUA/OTAN.

Ela foi suspensa do Parlamento afegão depois de usar o cargo para defender os direitos das mulheres. A vida de Joya está ameaçada por causa do seu trabalho, e já sobreviveu a cinco tentativas de assassinato.

Mas agora que Joya está agendada para falar sobre a situação do Afeganistão, e apelar pela retirada das forças dos EUA e da OTAN de seu país em turnê de palestras em todos os EUA, mas só há uma coisa que pode impedi-la. Não são os senhores da guerra afegãos, os talibans nem o governo de Hamid Karzai: é a administração de Obama.

leia mais

 

Governo dos EUA Nega Visto à Ativista dos Direitos das Mulheres Afegãs, Malalaï Joya

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Afghan Women`s Mission Thursday, 17 March 2011 00:00

Estados Unidos negou visto para Malalai Joya, respeitada ativista dos direitos da mulheres e ex-membro do parlamento do Afeganistão

Afghan Women`s Mission, 17.3.2011
tradução de Edu Montesanti

Malalai Joya's book updated edition

Os Estados Unidos negaram visto de para Malalai Joya, respeitada ativista dos direitos da mulheres e ex-membro do parlamento do Afeganistão. Joya, nomeada uma das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista Time em 2010, preparava-se para iniciar um período de três semanas de turnê pelos EUA, a fim de promover uma edição atualizada do seu livro de memórias, Uma Mulher entre Caudilhos, publicado pela Scribner, uma marca da Simon & Schuster.

O publicante de Joya na Scribner, Alexis Gargagliano, disse: "Tivemos o privilégio de publicar Joya, e sua última turnê do livro em 2009, recebeu aclamação. O direito dos autores de viajar e promover seu trabalho. é fundamental à liberdade de expressão e ao intercâmbio de idéias. "Memórias de Joya foi traduzido para mais de uma dúzia de idiomas, e ela viajou bastante, inclusive à Austrália, Reino Unido, Canadá, Noruega, Alemanha, Itália, Espanha, Portugal, França e Países Baixos, em apoio ao livro nos últimos dois anos.

leia mais

 

Uma voz de coragem vinda do Afeganistão

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by QUIDNOVI Thursday, 18 March 2010 00:00

A Jóia Afegã – Uma mulher entre os senhores da guerra – Malalai Joya

QUIDNOVI, 18 DE MARÇO DE 2010

Uma mulher entre os senhores da guerra – Malalai Joya

Malalai era ainda criança quando a União Soviética invadiu o Afeganistão. Depois de uma infância passada em campos de refugiados no Irão e no Paquistão, nos anos 90 regressa à sua terra natal, que se encontra sob o domínio do regime talibã. É então que começa a colaborar com organizações secretas que se dedicam à causa dos direitos das mulheres. Em 2005, eleita para o novo parlamento com apenas 27 anos, torna-se notícia a nível internacional na sequência de um discurso onde denuncia corajosamente a existência de caudilhos no Governo afegão. Joya insurge-se contra o tráfico e a corrupção e contra as violações dos direitos das mulheres. Desde então, já foi alvo de quatro tentativas de assassinato, mas ainda hoje continua a lutar pela causa de quem a elegeu, sempre determinada a ver um Afeganistão democrático, onde as mulheres possam viver em liberdade e dignidade.

leia mais

 

Malalaï Joya em Portugal

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Esquerda.net Saturday, 24 October 2009 11:14

Esquerda.net, 10.10.2009

Malalai Joya é uma jovem deputada afegã que corajosamente denunciou os "senhores da guerra" na Lloya Jirga (grande assembleia afegã) em 2003 e no Parlamento em 2006. Ela estará em Portugal nos próximos dias 17 e 18 de Outubro, em Lisboa e no Porto, respectivamente, numa iniciativa dos deputados europeus do BE-GUE/NGL.Malalai Joya vem contar a sua experiência e denunciar os crimes do regime afegão, dos ocupantes e dos talibãs.

Malalai Joya nasceu em 25 de Abril de 1978, foi eleita pela província de Farah para participar na Lloya Jirga1 em Dezembro de 2003 e em 2005 foi eleita deputada, também pela província de Farah. Em Maio de 2007 foi expulsa do parlamento afegão, sob a acusação de ter insultado outros parlamentares numa entrevista de televisão.

leia mais

 

Entrevista a Malalai Joya

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by ESQUERDA.NET Wednesday, 21 October 2009 06:39

O esquerda.net entrevistou Malalai Joya, activista da luta pela democracia e direitos das mulheres no Afeganistão e das poucas vozes que o mundo conhece da intransigência da oposição aos talibãs e aos senhores da guerra e da droga que hoje ocupam os lugares de topo no poder político, protegidos pelas tropas de ocupação. Eleita deputada no parlamento afegão, foi expulsa desse órgão por dizer que "isto não é um parlamento, é um jardim zoológico" e que "a bancada da maioria é composta por criminosos e corruptos".

 

Tapando o Sol com a Peneira para o Mundo

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by The Sydney Morning Herald Wednesday, 01 July 2009 00:00

Malalaï Joya deve ter sabido que estava prestes a assinar sua própria sentença de morte, quando pegou o microfone em 17 de dezembro de 2003

Paul Sheehan, The Sydney Morning Herald, 1.7.2009
tradução de Edu Montesanti

Malalai Joya - Kabul

Malalaï Joya deve ter sabido que estava prestes a assinar sua própria sentença de morte, quando pegou o microfone em 17 de dezembro de 2003. Ela tem só 1,5 m de altura, e mesmo assim maquina um golpe verbal fatal. Mas esse é o Afeganistão, onde 80% das mulheres são analfabetas, e a maioria dos homens parecem dispostos a mantê-lo desse jeito. Muito veemente, uma mulher provocativa como se tivesse uma doença mortal.

Antes que pudesse falar, um funcionário público havia abaixado o microfone. Seu hijab preto começou a se agitar. Ela estava inquieta, arrumando seu véu; seu coração estava batendo mais rápido. Então, ela colocou em prática algo que, mais de cinco anos depois, ainda faria dela uma nômade secreta dentro de sua própria terra.

leia mais

 

Poema: Uma Flor Brota entre Pedras no Afeganistão

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Nolan Chart Monday, 18 May 2009 00:00

por Edu Montesanti, Nolan Chart, 18.5.2009
tradução de Edu Montesanti

Malalai Joya

Há esperança para o Afeganistão? Sim, há! No país do Taliban e dos tão temidos senhores da guerra, a esperança do povo afegão encontra lugar nos seus homens combatentes, e nas várias valentes mulheres. A eles, nossa admiração, solidariedade e oração; à Malalaï Joya nossas seguintes palavras de amor - apenas porque ela tem entregado sua vida, após ser expulsa do Parlamento afegão por denunciar os senhores da guerra - traficantes de droga. Joya não será jamais morta, e sua voz será para sempre a voz do seu povo

em memória das vítimas afegãs dos ataques dos EUA, neste mês de maio de 2009

leia mais

 

164 Civis Mortos em Ataque da OTAN

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by ZMagazine Saturday, 16 May 2009 00:00

"Esse massacre oferece ao mundo um relance aos horrores enfrentados por nosso povo". Malalaï Joya, deputada afegã expulsa do Parlamento por suas críticas à ocupação e aos senhores da guerra, desceve um dos últimos massacres do ejército de ocupação norte-americano em que morreram 164 pessoas

por Malalaï Joya, ZMagazine, 16.5.2009
tradução de Edu Montesanti

Malalai Joya

Como representante eleita de Farah, Afeganistão, levanto minha voz aos que condenam os bombardeios da OTAN que provocaram mais de 150 mortes civis em minha província, no início de maio de 2009. Este último massacre é una janela com vistas aos horrores que acarretam nosso povo.

Contudo, como detalhei na conferência de imprensa no último 11 de maio em Cabul, as autoridades militares dos EUA não querem que vocês presenciem esta realidade. Como de costume, tratam de reduzir o número de vítimas, mas tenho a informação que confirma que os bombardeios assassinaram 164 civis. Um jovem totalmente abatido, pertenecente à castigada aldeia de Geranai, narrou durante a conferência de imprensa que havia perdido 20 familiares no massacre.

leia mais

 

Denúncia de Joya: 164 Civis Massacrados por Tropas dos EUA

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Pajhwok Monday, 11 May 2009 00:00

Entrevista coletiva em Cabul

Malalaï Joya, Pajhwok, 11.5.2009
tradução de Edu Montesanti

Junto de Joya o senhor Humayun, morador da cidade de Bala Baluk, que perdeu 20 membros de sua família mortos nos ataques dos Estados Unidos a 5 de maio de 2009, foi apresentado na conferência e conversou com os jornalistas.

leia mais

 

Desculpas do Sargento Chiroux à Lider Afegã Malalaï Joya

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Common Dreams Sunday, 05 April 2009 00:00

"Como me entristeço pela violência que meu Exércto tem praticado..."

Matthis Chiroux e Malalaï Joya, Common Dreams, 5.4.2009
tradução de Edu Montesanti

Matthis Chiroux and Malalai Joya

Em 21 de abril de 2009, o sargento dos EUA, Matthis Chiroux, vai encarar processo em Saint Louis, Missouri [estado norte-americano], por publicamente recusar a lutar no Iraque no verão passado. Como muitos outros resistentes, Chiroux serviu ao Exército por muitos anos antes de chegar à conclusão que as guerras e a ocupação no Iraque e Afeganistão estava errada, e encorajou-se a falar abertamente. Desde o verão passado, ele tem desempenhado atividade chave na organização dos veteranos dos EUA, o Veteranos do Iraque contra a Guerra (IVAW, na sigla em inglês).

leia mais

 

Prêmio Anna Politkovskaya' 2008 para Malalaï Joya - A Mulher Mais Corajosa do Afeganistão

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Nolan Chart Friday, 22 August 2008 00:00

Odiada por alguns em sua terra natal, amada e premiada em todo o mundo. A voz de Joya ecoa como desafio ao Taliban e aos temidos senhores da guerra, e como sinônimo de esperança ao seu povo

por Edu Montesanti, Nolan Chart, 22.8.2008
tradução de Edu Montesanti

Prêmio Anna Politkovskaya 2008

Deveriam saber que sob a ocupação dos EUA, o Afeganistão tornou-se o produtor número um de ópio do mundo, e uma grande parte dele é contrabandeada aos Estados Unidos (2) (Joya). O Afeganistão domina o mercado mundial da droga, com 93 % de ópio do mundo, apoiado pela Aliança do Norte dos senhores da guerra (líderes tribais armados). Os quatro maiores atuantes no setor de comércio de heroína são altos funcionários do governo afegão.

Você sabia disso?

O governo afegão tem controle de apenas 30% do país, e onde o Taliban e os senhores da guerra locais detêm o poder, simplesmente não há lei. O Presidente Karzai é tão impotente frente aos "criminosos" senhores da guerra que ele é zombado, chamado de prefeito de Cabul (3). (Joya)

leia mais

 

Uma Afegã Se Levanta contra os Senhores da Guerra

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Counterpunch Magazine Monday, 18 August 2008 21:10

Os senhores da guerra não temem nem os monstros do Taliban, mas uma jovem desarmada: Malalaï Joya

Farooq Sulehria, Counterpunch Magazine, 18.8.2008
tradução de Edu Montesanti

Malalai Joya

O Ageganistão vive sob o medo dos senhores da guerra apoiados pelos Estados Unidos. Estes odiados senhores da guerra não temem os monstros do Taliban, que aumentam seu poder no sul. Ironicamente, eles vivem com medo de uma moça desarmada nos últimos anos de sua vintena: Malalaï Joya.

Para calar a voz desafiante de Joya, os senhores da guerra, que dominam o Parlamento nacional, suspenderam o mandato de joya por três anos, em 2007. Antes, em quase todas as sessões parlamentares tinha seus cabelos puxados, ou era agredida fisicamente e insultada ("prostituta"). "Inclusive me ameaçaram no Parlamento de estupro", diz ela. Mas ela não baixa o tom de suas críticas aos senhores da guerra ("eles devem ser processados", diz Joya), nem à ocupação dos Estados Unidos ("'guerra ao terror' é ridícula"). Não é compreendida, mas foi declarada "a mulher mais corajosa do Afeganistão"., e até mesmo comparada a Aung Sun Kyi.

leia mais

 

Uma Saudação à Malalaï Joya

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Nolan Chart Friday, 08 August 2008 00:00

Você nunca ouviu falar em Malalaï Joya porque, como a maioria da população afegã, ela quer que os norte-americanos deixem o Afeganistão!

Jake Towne, the Champion of the Constitution, Nolan Chart, 8.8.2008
tradução de Edu Montesanti

Malalai Joya

Malalaï Joya, corajosa mulher e deputada do Afeganistão, luta por justiça, direitos humanos e democracia. Ela luta contra os senhores da guerra e os talibans... e contra o governo norte-americano, a razão provável porque você nunca ouviu falar nada dela.

Malalaï Joya, representante eleita do Parlamento afegão desde a invasão norte-americana, é mais famosa por denunciar publicamente os senhores da guerra na convenção constituicional de 2003. Ela sobreveu a quatro tentativas de assassinato.

Ela fala em alto e bom tom em favor das mulheres de Farah, em um país e em uma época na qual elas têm pouca ou mesmo nenhuma voz.

leia mais

 

Malalaï Joya - "Sonho que um Dia as Mulheres Tomem as Rédeas no Afeganistão"

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Le Monde Friday, 25 July 2008 10:06

Deputada eleita ao Parlamento de Cabul, está afastada do ofício por meios vergonhosos, ela não dorme nunca duas noites seguidas sob o mesmo teto, ameaçada pelos que denunciou por crimes, tráfico, cumplicidade, corrupção

Raphaëlle Bacqué e Annick Cojean, Le Monde, 25.7.2008
tradução de Edu Montesanti

Malalai Joya - Afghan parliament

"Eu tenho um sonho"

Ela tem 30 anos. Está cercada. Não suporta indiferença nem negligência. Não há tempo para se esperar. Falta justiça. Pior ainda. Faz tempo que ela escolheu isso. Está disposta, diz, a sacrificar sua vida. O Afeganistão sangra há muito tempo. Faz-se urgente, diz ela, que se manifestem os esclarecidos e os inconformados, revoltados com a situação e que vão à luta, para livrarmo-nos dos senhores da guerra e do ópio, e constituir uma verdadeira democracia. Deputada eleita ao Parlamento de Cabul, está afastada do ofício por meios vergonhosos, ela não dorme nunca duas noites seguidas sob o mesmo teto, ameaçada pelos que denunciou por crimes, tráfico, cumplicidade, corrupção. Seu nome ressoa como uma provocação ao poder estabelecido, e uma esperança também para todos os democratas e para as mulheres afegãs. Malalaï Joya, "a mulher mais corajosa do Afeganistão".

leia mais

 

Afegã Defensora dos Direitos das Mulheres

Attention: open in a new window. PDFPrintE-mail

Written by Radio Netherland Friday, 30 May 2008 18:58

"Acreditamos que os EUA e seus aliados têm levado-nos da frigideira direto para o fogo"

Jaime van Wagtendonk, Radio Netherland, 30.5.2008
tradução de Edu Montesanti

Malalai Joya

No Afeganistão, a maioria das pessoas tem opinião sobre Malalaï Joya. Ela tem sido chamada de mulher corajosa e também de prostituta. Tem sido descrita como líder e defensora dos direitos da mulher no Afeganistão, e como comunista prejudicial à democracia. Apesar de todas as controvérsias que rondam esta jovem ativista, sua história pessoal oferece uma prespectiva à frágil democracia no Afeganistão, em crescente despedaçamento devido a divisões regionais, religiosas e de gênero.

Malalaï Joya foi eleita pela primeira vez ao Parlamento afegão em 2005, quando tinha apenas 25 anos. Ano passado, ela foi suspensa por tempo indeterminado do cargo quando comparou a legislatura a um zoológico. Essa não foi a primeira vez que ela se meteu em encrenca por criticar o poder afegão. Iniciando em 2003, emergiu-se como líder política lutando pelos direitos das mulheres e reivindicando a expulsão dos senhores da guerra do governo nacional. Na primeira tempestade que caiu por causa de suas críticas, Joya enfrentou ameaças de estupro feitas inclusive por colegas funcionários eleitos, e sobreviveu a quatro tentativas de assassinato.

leia mais

 

Page 2 of 3